27 de janeiro de 2017

Rede de Referência Cartográfica Municipal (RRCM)

A Rede de Referência Cartográfica Municipal consiste em um conjunto de pontos materializados através de marcos, com coordenadas planimétricas e cotas altimétricas, referenciadas a uma única origem, o Sistema Geodésico Brasileiro (SGB), possibilitando a amarração de plantas e mapas e suas atualizações a uma mesmo referencial.

A CONDER tem orientado os municípios do Estado da Bahia na elaboração dos decretos para institucionalização e adoção do novo Sistema de Referência Geodésico Brasileiro (SIRGAS 2000), levada a efeito pelo IBGE a partir do Decreto 4.740 de 13 de junho de 2003, na Rede de Referência Cartográfica Municipal (RRCM).

A RRCM é uma infraestrutura que proporciona a normalização e a sistematização de todos os levantamentos topográficos, geodésicos ou aerofotogramétricos no âmbito municipal, objetivando a sua inclusão em um mesmo sistema cartográfico, atualizando-o ou complementando-o.

Ela tem se tornado a referência para todos os trabalhos de cartografia, geodésia e topografia para fins de estudo, projetos, implementação e acompanhamento de obras e empreendimentos realizados por órgãos ou entidades da Administração Pública Estadual.

As monografias dos marcos também encontram-se disponíveis na Coordenação do INFORMS e no GeopolisVisualizador, disponível na internet.

  • Abrir no Geopolis Visualizador
  • A utilização dos marcos das RRCM deverá obedecer às Especificações Técnicas para Uso das RRCM, elaboradas pela CONDER. Neste sentido, a CONDER vem executando o plano de densificação das RRCM, que consiste em:

    • Plano com entidades públicas e privadas para implantação do apóio básico para restituição aerofotogramétrica dos vôos realizados a partir de 1998;
    • Incorporação dos marcos geodésicos implantados através do Programa Bases Cartográficas Municipais – CAR/CONDER-PRODUR;
    • Integração a outras redes de marcos geodésicos existentes no município;

    Implantação da 11ª Estação de Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo – RBMC (Parceria CONDER/IBGE), atualmente desativada.

    Todos os pontos do apoio básico horizontal devem estar vinculados ao Sistema Geodésico Brasileiro (SGB). Os marcos planimétricos a serem implantados devem utilizar como base para pós-processamentos a Estações da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo – RBMC do IBGE, com suas coordenadas de ajustamento realizadas no Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas (SIRGAS 2000). Cada estação nova deve ser conectada a, pelo menos, duas outras (novas e/ou de controle) na rede. Deve ser dada preferência à ocupação simultânea de estações adjacentes na rede, uma vez que geralmente é mais fácil determinar as ambigüidades em linhas de base mais curtas, o que contribui para um aumento da rigidez da rede.

    Documentos Anexos: